QUINTA-FEIRA, 21 DE SETEMBRO DE 2017
Predomínio de Sol
35º
MÁX
19º
MIN
1020 AM
Rádio Independência
106,5 FM
Rádio São Miguel
93,3 FM
Rádio Terra das Águas
89,7 FM/1460 AM
Rádio Guaíra
Opinião
Fonte: Japan Times, AFP-Jiji | Fotos: Spencer Platt/Getty Images | 11 de Setembro de 2017

11 de Setembro

Há 16 anos o mundo ficava estarrecido. Mas, hoje, passado tanto tempo, ainda há temores de outro 11 de setembro, o pior atentado terrorista, quando 3.000 pessoas perderam suas vidas, a maioria nos escombros do World Trade Center, em Nova York.

Para os residentes de Nova York que perderam seus entes queridos, que sobreviveram ou somente testemunharam o evento, as memórias continuam frescas e feridas antigas são reabertas 16 anos após a tragédia. Um estado perpétuo de alto alerta é o “novo normal”.

Para aqueles diretamente afetados, o 11 de setembro é a “data mais temível” do ano e o estresse pós-traumático pode continuar pela vida inteira do indivíduo, diz Charles Strozier, um psicanalista e autor de um livro que documenta as experiências de sobreviventes e testemunhas.

Muitos estão convencidos que, mesmo após os recentes ataques terroristas tenham focado a Europa, é Nova York, o coração que bate no mundo ocidental, que continua sendo o alvo principal. Para proteger seus 8.5 milhões habitantes, Nova York continua integralmente preparada.

Com uma força policial de 38.000 homens que vigia os espaços públicos da cidade, uma massiva rede de câmeras que oferece vigilância 24 horas e campanhas onipresentes para lembrar os cidadãos “se você ver algo, diga algo”, são todos alertas do custo da segurança.

A capital financeira dos EUA também quer estabelecer um exemplo quando honra as vítimas de terrorismo no exterior.

Após os recentes ataques na Europa, autoridades foram ágeis em oferecer suas condolências e assistência, e apagaram as luzes do Empire State em uma marca de solidariedade.

E o Memorial 11 de setembro, com 2 crateras de granito preto imensas, construídas no local das Torres Gêmeas, se tornou um local de meditação e luto não somente para os residentes de Nova York, como também para o mundo todo.

Os atentados de 11 de setembro de 2001 foram uma série de ataques suicidas contra os Estados Unidos coordenados pela organização fundamentalista islâmica al-Qaeda.

Na manhã daquele dia, 19 terroristas sequestraram 4 aviões comerciais de passageiros e colidiram intencionalmente 2 deles contra as Torres Gêmeas do complexo empresarial do World Trade Center, em Nova York, matando todos a bordo e muitas das pessoas que trabalhavam nos edifícios.

Os dois prédios desmoronaram 2 horas após os impactos, destruindo edifícios vizinhos e causando vários outros danos. O 3ºavião de passageiros colidiu contra o Pentágono, a sede do Departamento de Defesa dos Estados Unidos.

O 4º avião caiu em um campo aberto próximo de Shanksville, na Pensilvânia, depois de alguns de seus passageiros e tripulantes terem tentado retomar o controle da aeronave dos sequestradores, que a tinham reencaminhado na direção da capital norte-americana. Não houve sobreviventes em qualquer um dos voos.

Quase 3.000 pessoas morreram durante os ataques, incluindo os 227 civis de mais de 70 países e os 19 sequestradores a bordo dos aviões.

Elder Alberto Boff
Elder Boff, radialista desde 1987, gerente da Costa Oeste FM 93,3 de Santa Helena, repórter, apresentador de programas de entrevistas e noticiários, além de colunista da mídia eletrônica e escrita.
Costa Oeste News Telefone (45) 3565-1022 | Whatsapp (45) 99102-5533
Rádio São Miguel Telefone (45) 3565-1022 | Whatsapp (45) 98407-8348
Rádio Terra das Águas Telefone (45) 3268-8778 | Whatsapp (45) 98818-3666
Rádio Independência Telefone (45) 3264-1713 | Whatsapp (45) 99935-8890
Rádio Guaíra Telefone (44) 3642-1945 | Whatsapp (44) 99118-5606